• VetJr. UFMG

Cuidados neonatais com potros


1. Introdução


Os primeiros dias de vida do equino neonato são um período crucial para a vida do animal, pois se trata de um momento desafiador. Durante a gestação, o feto encontra-se protegido pelo organismo materno, o qual o mantém sob uma temperatura de conforto térmico, mais alta que a temperatura do ambiente, ao mesmo tempo que também fornece ao animal os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento e crescimento in utero. Sendo assim, os cuidados com os neonatos se inicia ainda na vida intrauterina, em especial no terço final da gestação, em que ocorre o maior desenvolvimento fetal.


Os principais cuidados com os neonatos estão diretamente relacionados ao sistema respiratório, cardio-circulatório, controle da temperatura, cuidados com o cordão umbilical (visto que é uma importante porta de entrada para patógenos), eliminação de mecônio e amamentação. E após o nascimento, o conforto uterino é trocado pelos desafios ambientais e o animal está sujeito às mudanças de temperatura e à necessidade de ser capaz de se alimentar por conta própria.


2. Manejos da fêmea equina no pré-parto


Os cuidados com a fêmea são a primeira forma de cuidar do concepto, seja no início da vida (logo após a concepção) ou no final da gestação. Garantir que a mãe tenha uma gestação tranquila e confortável é fundamental para que a gestação possa ter continuidade e ao final se tenha um potro saudável.


Após a cobrição ou inseminação é importante dar conforto e evitar situações de estresse para a égua, pois se trata de um momento delicado, no qual podem ocorrer perdas gestacionais precoces em decorrência de fatores relacionados à saúde do trato reprodutivo. Em geral, as perdas gestacionais nessa fase possuem causas multifatoriais que podem ser desde aspectos embrionários e maternais até falhas de manejo nutricional e sanitário, além das condições ambientais e de estresse. E vale ressaltar que esses problemas levam à redução da fertilidade das éguas. Tudo isso pode gerar vários prejuízos aos médicos veterinários e aos produtores.


Já na fase final da gestação, a nutrição é um ponto importante para que o feto tenha um desenvolvimento adequado e a observação da égua em momentos pré-parto não devem ser negligenciados. A atenção quando o animal inicia o trabalho de parto e a alguns pontos que devem ser avaliados são:


Progressão do parto: deve-se observar do início a saída do feto pelo canal vaginal para avaliar se há ou não a necessidade de intervenção obstétrica. O normal é que em até 1h apoia o início das contrações o fato já tenha sido expulso;


Tempo de eliminação da placenta e sua avaliação: A placenta deve ser elimina em aproximadamente 90 minutos após o parto e sua avaliação revela aspectos importantes sobre a nutrição do neonato in útero, além de indicar também possível patologias;


Análise do colostro: preconiza-se que o colostro a ser fornecido tenha qualidade nutricional microbiológica adequada, tanto para garantir uma boa nutrição e transferência de imunidade ao neonato quanto para evitar a contaminação do animal ainda jovem.



3. Primeiros cuidados e avaliações do potro pós-nascimento


Dentre os cuidados e avaliações iniciais importantes estão:


Tempo entre o parto e o animal ficar em estação: deseja-se que o neonato consiga se manter em pé c rca de 1h após o nascimento, pois qualquer anormalidade em relação a isso, pode indicar, por exemplo um problema do aparelho locomotor (congênito ou em virtude do parto);


Amamentação: deve ocorrer rapidamente (até 2h) para se garantir uma adequada transferência de imunoglobulinas ao animal pós-parto, sendo isso primordial para a imunidade neonatal, uma vez que a placenta não permite essa transferência in utero. Além disso, a amamentação rápida induz o estímulo a motilidade gastrointestinal;


Eliminação do mecônio: ainda nas primeiras horas de vida. É facilitada pelo manejo de amamentação e deve ocorrer em torno de 4h após o nascimento;


Vigor do reflexo de sucção: poucos minutos após o parto;


Exame físico: avaliar sinais de imaturidade, traumas que possam ter ocorrido durante o parto ou a presença de anormalidades congênitas;



Parâmetros vitais:


Temperatura: entre 37,2 a 38,8 ºC;


Frequência cardíaca: 40 a 80 batimentos por minuto. Podendo aumentar progressivamente à medida que o potro começa a se agitar para ficar em pé e se estabiliza entre 70 – 120 batimentos por minuto;


Palpação de pulso: na artéria metatarsal, localizada entre o 2º e 3º metatarsianos;


Avaliações da mucosa:

  • Oral: Análise do tempo de preenchimento capilar; Coloração: deve estar rósea ou levemente pálida;


Frequência respiratória: entre 20 a 40 ventilações por minuto (para o potro neonato);


Tempo para urinar: deve ocorrer em até 12 horas após o nascimento;


Contagem total de células brancas: se equipara ao do equino adulto, todavia, ocorrem variações quanto ao número de linfócitos, neutrófilos e leucócitos totais;


Por fim, devemos lembrar que o animal jovem possui alta taxa de conversão alimentar, logo, há uma elevada eficiência em ganho de peso nas primeiras semanas de vida, por isso a escolha do aleitamento correto é fundamental para garantir boas condições de desempenho. E tendo em vista que o potro neonato apresenta maiores quantidades de fluido extracelular, bem como ainda está em um estado de imaturidade do trato gastrointestinal para tratamento, medicamentos para esses animais devem ser avaliados de forma rígida e criteriosa. É importante estarmos sempre atentos e procurar ajustar as doses dos fármacos da melhor maneira possível, pois a concentração plasmática de certos fármacos será abaixo do esperado devido aos fatores mencionados acima e da alta capacidade de absorção intestinal do animal na fase inicial da vida.


4. Cuidados com neonato equino (instalações, alimentação, etc)


O potro neonato exige uma sequência de cuidados assim que nasce. No entanto, precisa que sejam feitas algumas adaptações e manejo para garantir que o animal recém nascido tenha uma boa chance de sobrevivência e melhore seu desenvolvimento.


O potro, por ser um animal que gosta de brincar e é mais agitado, deve ser retirado do curral para evitar que se lesione. Mas isso só pode ser feito após os cuidados iniciais citados anteriormente. É importante que mãe e potro migrem para um piquete maternidade para receberem os cuidados iniciais, até os 10 dias de vida do animal. Após, devem ser transferidos para um piquete que possibilite o contato do potro com outros equinos, o que é importante para sua socialização. Mas é necessário que as éguas com potro ao pé tenham um piquete próprio para evitar acidentes ou conflitos com os animais adultos.


Após esse momento, se torna necessário a observação constante do animal a fim de monitorar seu desenvolvimento e condições de vida, de forma a garantir sua alimentação, cuidados maternais e sanidade adequados.


Acerca da alimentação neonatal, os cuidados devem se iniciar no terço final da gestação, fornecendo à égua uma alimentação balanceada para que ela forneça ao potro um ambiente e nutrientes que favoreçam seu desenvolvimento.


Quando o animal nasce, se torna necessário que mame constantemente e em boa quantidade. Por isso, é importante observar o úbere da égua a fim de observar se está cheio, significando que o potro não mamou o suficiente, ou se está vazio, sinal de que o animal provavelmente está bem alimentado.


Na questão do desmame, este deve ser feito não pela idade do potro mas sim pela sua capacidade de se alimentar de outros alimentos e conseguir digeri-los sem complicações.


5. Manejo sanitário dos potros (monitoramento de doenças, vacinação,

vermifugação, etc)


O manejo sanitário visa criar as melhores condições para o desenvolvimento do animal de forma a evitar problemas de saúde. Assim, um potro com sanidade adequada possui um desenvolvimento melhor e mais adequado. Para evitar problemas, a prevenção é a melhor e mais barata forma. O cuidado com a limpeza e manutenção dos equipamentos e instalações ajudam a evitar situações de estresse, tanto para o potro quanto para o proprietário. Além disso, há necessidade de se atentar ao cuidado de ecto e endoparasitas, assim como vacinação.


A primeira vermifugação é feita aos 30 dias de idade (repetindo a cada 60 dias até o primeiro ano de vida) e o calendário vacinal começa aos 4 meses.

É necessário tomar cuidado com as vacinas e vermífugos utilizados. Assim, é imprescindível o acompanhamento com um médico veterinário para que o melhor manejo sanitário seja feito.


6. Conclusões


O potro neonato enfrenta grandes desafios após o nascimento, pois na vida intrauterina recebia nutrientes e conforto constantemente, de forma que após o nascimento, o animal precisa receber os cuidados necessários para que se torne capaz de se alimentar, eliminar o mecônio e receber o colostro a fim de desenvolver sua imunidade. Por isso, o manejo correto de neonatos é imprescindível para que o animal aumente suas chances de sobrevivência e se desenvolva bem, se tornando um adulto saudável.


Texto escrito por: Luany Miranda e Vitória Regina


Entre em contato conosco:

Email: bovinocultura@vetjr.com

Celular VetJr.: 31 9 8292-7161


25 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo