• VetJr. UFMG

Pigmentos na coloração de canários belga


A canaricultura promove a criação de canários com diferentes colorações e aspectos. Essa diversidade é avaliada criteriosamente por Campeonatos Ornitológicos e também pelo mercado consumidor de canários, o que revela a importância de se entender um pouco mais sobre o assunto. Assim, a VetJr. falará neste blog sobre os pigmentos relacionados à coloração de canários belga. Leia o texto completo para saber mais!



Pigmentos: Melanina e Lipocromo


Primeiramente, a coloração de canários belga se mostra dependente de dois fatores: a genética e a alimentação. Além disso, os pigmentos que contribuem para a classificação desses animais em relação à cor são a melanina e o lipocromo.


A melanina é um pigmento produzido pelo próprio organismo do animal, sendo esta dividida em dois tipos. O primeiro tipo consiste na eumelanina (cor marrom ou preta) que se

deposita nas penas dos canários formando estrias. Além das penas, ela também pode estar presente no bico, nas patas e nos olhos desses pássaros. O segundo tipo é a feomelanina (somente marrom) que pode se depositar nas bordas das penas.


Já o lipocromo é um carotenóide de origem vegetal que, ingerido pelos canários através da

alimentação, pode se depositar na plumagem. Dessa maneira, há dois tipos desse pigmento: o amarelo e o vermelho. Vale ressaltar que, em canários brancos e albinos, o lipocromo não está presente.



Lipocromo e sua relação com a alimentação:


Assim, é possível oferecer uma dieta aos canários de acordo com o tipo de lipocromo que se deseja obter. No entanto, é importante ter em mente que alguns fatores genéticos influenciam na intensidade da cor que irá se manifestar (mais intensa ou mais branda), bem como na sua distribuição ao longo do corpo do animal, que se reflete nas categorias intenso, mosaico e nevado.


O pigmento amarelo pode ser obtido em dietas com alimentos ricos em luteína, como nos

vegetais verdes folhosos (couve, brócolis, espinafre), nas frutas e na gema do ovo. No entanto, a sua forma em pó é mais amplamente utilizada devido a sua praticidade de ser incluída na alimentação dos canários. Além disso, outro pigmento amarelo é a zeaxantina, sendo esta menos usada por deixar a coloração da pena mais alaranjada ou dourada.


Por outro lado, a cor vermelha obtida nos canários é feita com o auxílio de um pigmento natural chamado de cantaxantina. Com isso, o ideal é que essas substâncias sejam introduzidas à alimentação do canário na época de mudança de penas para que se obtenha

um resultado mais uniforme.


Portanto, é importante se atentar à qualidade do produto utilizado para que se possa obter bons resultados em relação aos pigmentos, além de ofertar uma nutrição adequada às aves a fim de que elas possam manifestar fenotipicamente o lipocromo na plumagem. Agora que ficou mais claro a importância da alimentação adequada para a manifestação de cores em seu plantel, entre em contato com um consultor VetJr. e marque uma visita ou reunião diagnóstica, será um enorme prazer conversar com você e ajudar a melhorar a sua criação!


Texto escrito por: Beatriz Lana e Sabrina Duarte


Entre em contato conosco:

Email: silvestres@vetjr.com

Celular VetJr.: 31 98292-7161

63 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo