Doenças de casco em vacas leiteiras

April 21, 2019

 

As doenças de casco estão entre as 3 maiores causas de descarte involuntário das fazendas, juntamente com problemas reprodutivos e mastite; caracterizando um grande desafio da pecuária leiteira e gerando grandes perdas econômicas para o setor.

            Apresentando origem multifatorial, as doenças de casco se sustentam em cima de uma tríade, que envolve fatores genéticos, distúrbios nutricionais e fatores ambientais, como mostrado na Figura 1.

 

                                                                             (Figura 1)

Fatores genéticos determinam as características do conjunto pernas e pés e definem o formato do conjunto, taxa de crescimento do tecido córneo e condições de aprumos. Aprumos irregulares, crescimento exacerbado ou diminuído dos cascos afetam o apoio e a passada dos animais, podendo dificultar sua movimentação e predispor a doenças de casco.

            Vacas de alta produção geralmente recebem uma dieta rica em proteínas e carboidratos e o desbalanço nutricional pode ocasionar distúrbios ruminais gerando substâncias vaso-ativas que desestabilizam a circulação sanguínea nas lâminas dos cascos, provocando necrose dos tecidos e assim desenvolvendo laminite.

            Algumas doenças de casco podem ser causadas por agentes infecciosos, e a compra de animais de outras propriedades representa a principal forma de introdução desses agentes no sistema produtivo.

            O ambiente pode se apresentar úmido a partir do acúmulo de matéria orgânica e urina em confinamentos e piquetes com alta densidade animal. Além disso, áreas de baixada podem gerar acúmulo de barro, contribuindo para o aumento drástico dos casos de doenças de casco no período chuvoso. A umidade mantém os cascos moles e, portanto, mais susceptíveis às lesões traumáticas e penetração de microorganismos, tendo como agravante os pisos abrasivos, trajetos com pedras, pregos, etc.

            Superlotação, cama inadequada em confinamentos e estresse térmico, mantém os animais em estação por tempo prolongado, exercendo uma grande pressão sobre os cascos e assim, contribuindo para o aparecimento de doenças.  

            Dieta balanceada, realização de um minucioso exame clínico dos cascos antes de adquirir animais, ambiente adequado e densidade animal controlada, constituem medidas importantes para a diminuição das doenças de casco, que associadas ao casqueamento e pedilúvio apresentam eficiência maximizada. É importante manter uma rotina de casqueamento preventivo 1 a 2 vezes por ano para correção de cascos e identificação prematura de problemas, além de casqueamento corretivo sempre que houver necessidade. Além disso, as vacas em lactação devem passar por lava-pés seguido de pedilúvio 3 a 5 vezes na semana utilizando Formalina 3% ou Sulfato de Cobre 5% para diminuir a ocorrência de doenças de casco infecciosas.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Featured Posts

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Recent Posts

October 7, 2019

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags